Gente&Conteúdo

01/06/2016

Saiba quais são os cuidados essenciais para quem fica muito tempo sentado

Quem trabalha sentado por muito tempo sabe que uma hora o corpo começa a reclamar. É dormência nos pés, dor no pescoço, nas costas. Uma série de sinais que podem significar que é preciso ter mais atenção à rotina e, consequentemente, a postura. Segundo o ortopedista e especialista em Saúde do Trabalhador,  Gabriel Pimenta, diretor do Hospital Federal do Andaraí (RJ), motoristas, secretárias, digitadores são,  entre outros profissionais, são pessoas que passam muito tempo na frente do computador e que,  geralmente,  reclamam de algum desconforto. É o caso da recepcionista Camila Raquel Santos, 28 anos. Ela atua na profissão há 4 anos e, recentemente,  buscou um especialista para ajudar na melhora das dores e varizes que tinha.

“Eu trabalho oito horas  sentada direto. Até tento levantar um pouco durante o dia, mas, em geral, no período da tarde já estou com as costas cansadas. Faço um exercício pra fortalecer a coluna e evitar essas dores. Recentemente, eu fui ao angiologista.  Antes eu não tinha varizes, mas ele me explicou que apesar de ser um problema genético, estava ligado ao tempo que eu ficava muito sentada”, explica a recepcionista.

Dores musculares e na região da coluna, formigamento dos pés, além do aparecimento de varizes, descritas pela Camila, são alguns dos sintomas de que há algo errado. “O corpo humano foi feito para se movimentar então é impossível você ficar sentado numa mesma posição por muitas horas. Você precisa, para manter o bom funcionamento, se movimentar”, explica Gabriel.

Cuidado com a automedicação

É importante que qualquer pessoa que necessite ficar muitas horas sentada busque atendimento médico no aparecimento desses sintomas. “Se você usar um analgésico ou qualquer um desses medicamentos anti-inflamatórios, analgésicos, eles vão aliviar os sintomas, mas mascarar o real problema. Passando o efeito do remédio, os sintomas irão voltar. A lesão não foi tratada”, ressalta o ortopedista. A automedicação não é indicada em nenhum caso de problemas de saúde.

Prevenção

As mesas de trabalho, no geral, têm uma medida padrão que é para atender pessoas com 1,70 de altura, em média, segundo o ortopedista Gabriel Pimenta. No entanto, a altura da população é muito variada, sendo difícil encaixar todo mundo em um mesmo padrão.

Se o trabalhador é mais baixo do este padrão e os pés, quando ele está sentado a mesa de trabalho, ficam balançando, é interessante colocar um apoio no chão para que os joelhos fiquem um pouco flexionados. Assim, ficará mais fácil mexer os pés para cima e para baixo, ou as pernas, evitando que eles fiquem muito tempo parados, impedindo a circulação.  

A coluna precisa estar apoiada. “Se você for olhar esses desenhos, essas imagens por aí, vai ver que a coluna tá numa posição que nem sempre você consegue ficar muito tempo, não é assim que as pessoas trabalham. O ideal é ter um apoio para as costas e não deixar, por exemplo, o corpo muito longe da mesa ou do volante”, detalha o médico. Para ele, é importante que a cadeira possa ser regulada, tanto para adequar a altura da pessoa na mesa como a distância do encosto e inclinação.

Quem é muito alto e trabalha sentado na frente do computador também terá que se ajustar. O ortopedista afirma que o ideal é que os olhos fiquem no meio da tela. Se ficar baixo ou alto demais, apareceram dores no pescoço ou nos ombros. Ele ainda explica que quem tem notebook tem que se policiar. “Essa é uma ferramenta de consulta rápida. Se você vai passar muito tempo dependendo dele, terá que se ajustar. O notebook, na maioria das vezes, vai estar mais baixo do que um computador estaria”, explica.  

Ainda segundo o ortopedista, a atividade física é fundamental para prevenir as dores provocadas pela má postura. “A atividade física vai alongar e fortalecer a musculatura e isso, para qualquer atividade, pode ajudar no cuidado do corpo e na diminuição do estresse emocional - outro fator que potencializa uma postura inadequada”, reforça.

Por último, o médico acrescenta que fazer pequenos intervalos é fundamental. “Sempre que puder, faça uma pausa. O intervalo, seja para tomar um café, ir ao banheiro ou fazer a ginástica laboral, vai evitar que você fique parado por muito tempo”, finaliza.

*Fonte: Blog Ministério da Saúde

Clientes

Conheça quem hoje faz a história da ProPay ser um sucesso.

ESPRO Junior Grupo Flytour Covidien Damásio Valeo Lachmann Crown Grupo Libra Pamcary Alphaprint Par Corretora de Seguros Decathlon Nidera Canal Rural
http://www.propay.com.br/