Gente&Conteúdo

19/08/2015

Rotatividade: como entender e evitar que seu melhor funcionário se desligue

Você sabia que a rotatividade dos funcionários não é um acontecimento isolado? Trata-se de um processo de ruptura que pode levar dias, semanas, meses e até mesmo anos até que a verdadeira decisão seja tomada!

"Alguns saem e deixam... outros saem e ficam.", essa frase de autor anônimo nos faz reconhecer que alguns funcionários literalmente deixam saudades!

Segue abaixo as etapas do processo de ruptura até o desligamento que podem ser percebidas pelos gestores, segundo autores renomados:

- O funcionário começa o novo trabalho com entusiasmo.

- Após entrar em contato com o novo ambiente, começa a comparar e questionar a decisão de ter aceito o atual trabalho.

- Pensar seriamente em sair.

- Tentar mudar as coisas.

- Resolver sair.

- Considerar os custos da saída.

- Procurar passivamente outro emprego.

- Preparar-se para procurar ativamente outro emprego.

- Obter uma oferta de emprego.

- Pedir demissão para aceitar o novo emprego ou solicitar o desligamento sem ter um emprego à vista ou permanecer e não se envolver.

Além desses, os sinais mais óbvios de ruptura são absenteísmo, atrasos e comportamentos que indicam retraimento ou aumento da negatividade.

Também é útil saber que estes sinais precoces de ruptura normalmente começam a se manifestar depois de um acontecimento chocante ou desagradável que faz o funcionário questionar seu comprometimento. Segue alguns fatores que precipitam a ruptura:

- Ser preterido para uma promoção.

- Constatar que o emprego não é tão promissor.

- Constatar que as pessoas podem ser transferidas.

- Ter o chefe da época de contratação substituído por um chefe de quem o funcionário não gosta.

- Um território novo lhe foi designado.

- Ser obrigado a fazer algo que não condiz com a ética ou que infringe seus valores pessoais.

- Constatar que a empresa esta tomando uma atitude que não condiz com a ética.

- Ganhar dinheiro suficiente para se aposentar ou mudar de vida.

- Ser alvo de assédio sexual.

- Ser alvo de discriminação social.

- Ficar sabendo que a empresa foi vendida.

- Ficar sabendo que recebe um salário menor comparado ao de outras pessoas que executam tarefas idênticas.

- Constatar que determinada pessoa não esta preparada para a promoção que vai receber.

- Constatar que o desempenho ou comportamento de determinada pessoa da empresa é inaceitável.

- Receber uma oferta de emprego inesperada.

- Ser pressionado para fazer um sacrifício ou sacrificar a família.

- Ser obrigado a executar uma tarefa "menor".

- Ser submetido a uma demonstração de autoridade mesquinha ou irracional.

- Ver negada uma solicitação de licença por motivos pessoais.

- Ver um colega de trabalho muito querido sair ou ser demitido.

- Desentender-se como chefe.

- Entrar em conflito com um colega de trabalho.

- Receber uma inesperada avaliação de desempenho desfavorável.

- Receber um aumento de salário pequeno ou não receber nenhum aumento.

Às vezes, empregados que deixaram a empresa usam a expressão "gota d´agua" para descrever esse tipo de acontecimento, a questão é que, se de tempos em tempos o gestor não inicia uma conversa para saber como as coisas estão e esse tipo de discussão nunca acontece. Então, é o gestor e a organização que arriscam perder talentos e incorrer nos muitos custos da rotatividade dos profissionais, incluindo a perda da produtividade durante a fase de tomada da decisão.

Fica claro que os profissionais começam a ficar desmotivados e pensam em sair da empresa quando, no mínimo uma das quatros necessidades básicas do ser humano deixa de ser satisfeita. Essas quatros necessidades básicas são:

1 - Necessidade de confiar.

2 - Necessidade de ter esperança.

3 - Necessidade de se sentir valorizado e respeitado.

4 - Necessidade de se sentir competente à medida que aperfeiçoa suas habilidades.

Também é preciso lembrar que, embora todos os empregados queiram satisfazer essas quatro necessidades básicas, o grau dessas necessidades pode variar, dependendo da idade do empregado ou de seu tempo de casa. Por exemplo, com empregados mais jovens, a esperança e a expectativa de crescimento na carreira podem ser de extrema importância, enquanto os empregados mais velhos talvez estejam mais preocupados com benefícios relativos à assistência médica.

A descoberta de que a probabilidade de que as pessoas saiam em virtude de um problema interno é cinco vezes maior do que a probabilidade de que elas saiam em virtude de uma oportunidade em outra empresa. Uma das primeiras regras para obtenção de empregados é pagar um salário acima daquele pago pelo mercado para funções semelhantes.

Pesquisas ainda apontam que o pessoal de vendas é mais motivado pelo dinheiro do que pela maioria dos funcionários, e para esse restante a regra de ouro é que se ele estiver infeliz poderá pressionar a empresa com 5% de aumento, mas será necessário 20% de aumento para que um empregado satisfeito deixe seu emprego atual para um novo.

Fonte: RH.com

Clientes

Conheça quem hoje faz a história da ProPay ser um sucesso.

ESPRO Mercedes Benz Crown Diversey Valeo Grupo Libra America Lachmann GS1 Grupo Flytour Rocket Brasil Máquinas Damásio Par Corretora de Seguros DeVry Brasil
http://www.propay.com.br/