Gente&Conteúdo

01/10/2014

Quando vamos valorizar o RH?

Esta semana estava lendo uma conceituada revista sobre Negócios e li uma pequena nota que indicava o fim do RH. Dizia que o RH deveria ser dividido entre um RH operacional e outro que cuidasse do desenvolvimento profissional de treinamentos mas uma forma muito simplista e dando pouca importância para a função. Basicamente era isto.

Tenho por princípio respeitar opiniões contrárias às minhas e mais do que respeitar procurar perceber se o pensamento contrário merece uma maior reflexão e até a reversão na forma de pensar.

Até entendi o que a nota queria dizer, mas concordar? Impossível.

Decretar o fim do RH é decretar o fim do diferencial competitivo das empresas. É entender que não existem diferenças entre a forma de pensar e enxergar situações similares por óticas diferentes. É não acreditar no potencial que a Inovação tem no mundo dos negócios.

Se a sua empresa não possui um RH realmente estratégico com uma visão holística da empresa e do mercado, comece a preparar o seu CV e pense seriamente na possibilidade de procurar uma nova oportunidade em outras bandas. Eu penso assim.

Na contramão desta nota citada acima, afirmo que o RH nunca foi tão importante como agora. Acho inclusive que muitas empresas ainda não se deram conta da sua importância e sofrem e sofrerão muito ainda por isso. O RH é com certeza o grande diferencial de qualquer empresa.

Seja ela de que tipo for. As pessoas e somente as pessoas é que fazem a diferença. Apenas elas têm a capacidade de inovar e valorizar um produto ou serviço. Saber contratar, valorizar, manter, promover, trocar de área, enfim, acompanhar o desenvolvimento das pessoas é algo que o RH deveria ter como única e primordial função.

Infelizmente ainda vemos que muitas empresas enxergam o RH apenas como um departamento capaz de “resolver problemas” como benefícios, legislação, apoio a isto ou aquilo. Não tem como. Alguém precisa fazer e resolver questões burocráticas, ainda mais num país tão complexo e confuso como é o Brasil. Que me desculpem os profissionais envolvidos diretamente com estes afazeres, eu os acho muito “chatos”(a função mas não as pessoas….não me entendam mal) mas reconheço a sua total importância. Já ouvi alguém dizer que Picasso(apenas para citar um gênio entre tantos), não gostava de limpar pincéis e tampouco arrumar suas tintas mas ele tinha que fazê-lo sob pena de em não o fazendo, não conseguir obter tamanho êxito em suas obras. Ainda não arrumaram um modo eficaz de realizar algumas funções burocráticas absolutamente imprescindíveis.

Até aqui o RH é fundamental. Não apenas para realizar estas funções, mas para encontrar pessoas que consigam fazer delas algo interessante e que saibam ver e valorizar a sua importância.

Quanto mais leio e ouço grandes líderes mais saio convencido da importância do RH nos processos criativos e de crescimento das empresas. Uma contratação errada pode gerar um prejuízo enorme, milionário até, para não dizer mais. Como coach sei o quanto o diferencial está e sempre estará nas pessoas. Compete aos líderes entenderem isto e incendiarem as suas equipes, entretanto nenhum líder é capaz de fazer isto sem o apoio de um grande RH. Pode estudar a história dos grandes empresários, visionários, líderes natos. Todos tinham a apoiá-lo um RH que entendia e compartilhava de suas ideias. Quantas e quantas vezes teremos que afirmar que ninguém faz nada sozinho. Ninguém. Quer que eu repita. Ninguém.

A postura, visão, determinação, percepção e sensibilidade dos líderes precisam do RH como seu ponto de apoio mais importante dentro das organizações. Apenas com sua ajuda e visão estratégica é que as empresas sobreviverão num mundo em reconfiguração tão competitivo.

Pode até ser que o denominado RH seja renomeado e receba um nome mais pomposo mas decretar o seu fim, eu não acredito.

Quer saber o que eu acho mesmo? Anotem aí e me cobrem. Veremos nos próximos anos algo pouco comum nas últimas décadas. O profissional de RH, seja lá com que nome for, vai começar a assumir a presidência das grandes empresas. Já vimos isto acontecer com o financeiro, marketing e outras funções. Chegou a vez do RH. Acredito piamente nisto pelo simples motivo de que acredito que só as pessoas são capazes de mudar o mundo.

Queria muito ouvir a sua opinião. Se puder deixe o seu comentário concordando ou não. Acho que o tema merece esta reflexão.

*Este artigo foi postado no Blog do Management da Exame.com

Clientes

Conheça quem hoje faz a história da ProPay ser um sucesso.

Crown Pamcary Par Corretora de Seguros ESPRO America Grupo Flytour GS1 Rocket Damásio Valeo Diversey Grupo Libra Decathlon Sabó DeVry Brasil
http://www.propay.com.br/